Como quatro amigos de bebida salvaram o Brasil

O podcast Planet Money, fez um programa sobre o plano real que salvou de maneira eficiente a economia do pais, o podcast esta em inglês, mas você pode acompanhar uma tradução livre na transcrição abaixo.

Apenas duas décadas atrás, a inflação era tão alta que os supermercados aumentavam seus preços todos os dias. Os compradores corriam na frente do trabalhador alterando as etiquetas de preço para que pudessem pagar o preço do dia anterior.

Uma série de líderes tentou e não conseguiu deter a inflação. Um instituiu um congelamento de preços. Outro congelou as contas bancárias das pessoas. Então, o governo trouxe quatro economistas que conversavam há anos sobre como resolver o problema da inflação no Brasil. A solução deles: criar uma moeda que não existe.

JACOB GOLDSTEIN, BYLINE: Olá, e bem-vindo ao PLANET MONEY. Eu sou Jacob Goldstein. Hoje, estamos repetindo um dos meus episódios favoritos de todos os tempos de PLANET MONEY. Ele veio de Chana Joffe-Walt em 2010. Aqui está.

CHANA JOFFE-WALT, BYLINE: Quinze anos atrás, o dinheiro basicamente não tinha valor no Brasil. A taxa de inflação no Brasil em 1990 era de cerca de 80% ao mês. Então imagine só ir à loja. Tipo, um dia, os ovos vão custar $ 1 na loja. E então amanhã, eles seriam $ 1,02. E no dia seguinte, eles seriam $ 1,04. No final do mês, eles teriam quase dobrado. E até o final do ano, se a inflação continuar, os ovos seriam de US$ 1.000. Então era assim que as coisas eram no Brasil nos anos 1980 e início dos anos 90, e é o que ainda seria hoje, hoje, se não fossem alguns heróis improváveis, o grupo mais improvável de heróis nacionais que você pode imagine, quatro ex-colegas de bebida da pós-graduação com um plano maluco que de repente foram encarregados da maior crise econômica do país de todos os tempos. Mas antes de conhecê-los e ouvir sua história, vamos pintar um quadro do problema que eles se propuseram a resolver. Então lembre-se, os preços estavam subindo todos os dias nos anos 80 e início dos anos 90. E se você pensar no que isso realmente significa no supermercado, eles tiveram que mudar os preços todos os dias. Caetano Ferrari (fã), esse galanteador de 75 anos em São Paulo que conheci, lembra que era trabalho de alguém, andar pelos corredores e mudar os preços.

CAETANO FERRARI: Tem um homem que trocou o adesivo. Você passa pelo homem (risos), e eles compram coisas.

JOFFE-WALT: Espere, você passaria pelo homem. Você iria, tipo, ficar na frente dele.

FERRARI: Você corre.

JOFFE-WALT: Na frente dele.

FERRARI: Na frente do homem e comprar coisas assim.

JOFFE-WALT: Para que você pudesse chegar às mercadorias antes que ele mudasse o preço.

FERRARI: Sim, assim.

MARIA LEOPOLDINA BIERRENBACH: E o dia inteiro, essa máquina fazendo isso.

JOFFE-WALT: Esta é a Maria Leopoldina Bierrenbach, uma pessoa com um nome comprido bem brasileiro que passava muito tempo em supermercados em tempos de inflação alta. Maria era uma dona de casa com quatro filhos. E ela não era realmente o tipo de corrida. Ela educadamente pedia ao homem da etiqueta para parar e esperar. Se ele não o fizesse, ela tinha outro truque. Ela tiraria seu novo adesivo, caminharia até o caixa e pagaria o preço antigo.

BIERRENBACH: Mas então eles descobriram a machinina, a pequena máquina. E que você não podia fazer nada porque imprimia o preço. Isso não foi fácil de decolar.

JOFFE-WALT: A inflação era uma dor para as pessoas que compravam nas lojas, bem como para as pessoas que administravam essas lojas, porque o problema é que você só pode saber que a inflação foi de 80% ao mês em retrospecto. No momento em que está realmente acontecendo, você não tem ideia. Este é um dos efeitos perniciosos da inflação alta sustentada. Você assume porque os preços estavam subindo no passado que eles vão continuar subindo no futuro, mas você realmente não sabe quanto, quanto você diz ao homem da etiqueta para aumentar os preços. Assim, cada negócio no Brasil teve que desenvolver estratégias diferentes. Então, algumas pessoas apenas definem um número para quais serão os preços. Eles apenas disseram que os preços subirão 2% todos os dias. Outros donos de lojas iam e, tipo, apenas davam uma olhada na loja mais adiante e viam quais eram seus preços e os copiavam. E outros olhariam para a taxa de câmbio com um dólar. Então, pessoas como Isaac Guercman (ph), ele dirigia uma fábrica têxtil em uma fileira de negócios têxteis. E seu método era olhar para a taxa de câmbio com o dólar combinada com o bom e velho conluio. Todas as manhãs, Isaac se reunia com os outros homens têxteis.

ISAAC GUERCMAN: No Brasil, é muito comum você começar o dia tomando um café, e nós procuramos o final de semana e como nosso time de futebol tem se saído. E então alguém provavelmente diria, quanto você vai começar, você vai cobrar? Qual é a cotação do dólar? E alguém diria, era $ 9, agora é $ 10, então eu tenho que aumentar meus preços em 10%. E, você sabe, não é exatamente uma ciência.

JOFFE-WALT: Os problemas do Brasil com a inflação começaram na década de 1950. O governo queria construir uma nova capital em Brasília, e queria prédios bonitos, arquitetos sofisticados, e não tinha economia para fazer isso, então criou o dinheiro para isso. Agora, esta é uma opção que os países muitas vezes são tentados a tomar. Eles podem imprimir dinheiro para pagar por coisas que não podem pagar. O problema, claro, é a inflação. Portanto, se há US$ 100 na economia e você cria mais cem, agora cada dólar vale a metade. Isso é inflação. E no Brasil, a inflação continuou pelas próximas cinco décadas. Ano após ano, o dinheiro brasileiro valia cada vez menos. E isso causa todo tipo de problema, não apenas com o homem-adesivo. Você sabe, digamos que você receba um bônus de $ 1.000 e coloque esse dinheiro na sua gaveta. Um ano depois, vale a metade. Então.

No minuto em que você é pago, o relógio está correndo em seu dinheiro. Conversei com um homem que me disse que costumava ter pesadelos sobre seu dinheiro parado em sua cômoda apenas perdendo valor. Um fabricante de cerveja me disse que parou de fazer cerveja porque fazer cerveja leva muito tempo. Você compra todos os grãos e lúpulo, e quando foi fabricado, tudo valia muito menos. Assim, na década de 1980, a inflação era a questão política número um. E assim começaram os planos para corrigi-lo. Agora acontece que a melhor pessoa para conversar sobre isso é Maria Leopoldina Bierrenbach, a dona de casa que descascou os adesivos no supermercado, porque Maria pode levá-lo através de um histórico detalhado do plano fracassado de cada presidente para conter a inflação. Mas você tem que perguntar a Maria cada pergunta duas vezes porque na primeira vez, ela sempre responde assim.

BIERRENBACH: Não sei por que nunca precisei fazer nada. Eu era apenas uma simples dona de casa e mãe.

JOFFE-WALT: E então Maria passará a ser a pessoa mais experiente com quem você falará sobre qualquer assunto. OK, então primeiro, o presidente Sarney em 1985. E a solução do presidente Sarney para a inflação foi simples. As empresas estão aumentando os preços? Torne isso ilegal. Houve um congelamento de preços. Agora, havia muitos problemas com essa ideia, a começar pelo fato de que ninguém no país acreditava que realmente resolveria a inflação. Eles imaginaram que haveria um momento, provavelmente em breve, em que o congelamento de preços acabaria.

BIERRENBACH: E você sabe o que aconteceu. As pessoas escondiam a mercadoria (risos). E você não podia comprar nada porque eles queriam que os preços aumentassem porque a situação era uma fantasia. Não era real. Você não conseguia encontrar carne no açougue.

JOFFE-WALT: Porque eles não estavam – então eles simplesmente não estavam comprando carne para vender? Por que você não poderia…

BIERRENBACH: …Eles esconderam o gado.

JOFFE-WALT: Sério?

BIERRENBACH: Sim, você pode fazer isso aqui. É um país muito grande.

JOFFE-WALT: Então eles esconderam o gado, esperando que o congelamento de preços fosse embora.

BIERRENBACH: Sim, sim.

JOFFE-WALT: O principal problema com este plano, é claro, é que você não pode simplesmente congelar os preços e não lidar com o problema subjacente, o fato de que o governo ainda está criando dinheiro, o que causa inflação. Então essa foi a ideia do próximo homem. Presidente Collor em 1990. Ele pensou OK, vou parar de criar tanto dinheiro, a inflação acabará caindo. Agora aqui está o problema com isso. Tem a ver com os bancos do país. Se você estivesse na pequena minoria de brasileiros que tivesse dinheiro suficiente para ter uma conta bancária, parecia um ótimo negócio, porque para receber seu dinheiro, os bancos tinham que pagar uma taxa de juros maior do que a taxa de inflação. Então, nos EUA, você tem sorte se receber 2% de juros em sua conta bancária. Mas no Brasil em 1990, as pessoas podiam obter 2.000% ou mais. O dinheiro crescia nos bancos, o que ajudava a alimentar a inflação, o que levou o presidente Collor a acreditar que as contas bancárias eram parte do problema. E aqui é onde ele errou muito, muito. Ele decidiu congelar contas bancárias. Oitenta por cento dos ativos privados, 80 por cento do dinheiro que você tem na sua conta bancária, você não pode sacar. Agora Maria está me contando isso e meu tradutor, Flavio Ferreira, estava participando da nossa conversa. E não conseguia mais ficar calado. Ele se lembra de quando o ministro das Finanças fez esse anúncio.

FLAVIO FERREIRA: E eu lembro do dia em que ela estava na TV, explicando que iam confiscar o dinheiro de todo mundo. Assim, os bancos do dia seguinte não funcionariam. Lembro-me do rosto daquela mulher. Ela estudou nas melhores escolas e foi professora em (ininteligível). E ela estava explicando à nação, como economista, por que precisamos disso para acabar com a inflação. Precisamos que o país seja – você sabe, que se reúna conosco. Mas lembro-me de olhar para ela e dizer Deus, um governo não pode fazer isso. Quero dizer, quando um governo faz isso, você perde o respeito das pessoas.

BIERRENBACH: Ah, foi terrível. Foi terrível. Tanta gente se suicidou, sabe?

JOFFE-WALT: Quando você mexe com o dinheiro das pessoas, não vai bem. A economia despencou. O presidente Collor foi cassado. Houve um novo presidente, um novo ministro das Finanças, e a inflação voltou a subir. A economia brasileira estava em um ponto baixo, e parecia que não havia nada a ser feito para consertá-la. Então entram nossos heróis, aqueles quatro economistas de que falamos no início, que basicamente entraram em cena agora porque aquele novo ministro das Finanças não sabia nada de economia. E assim, em março de 1993, ele ligou para um de nossos heróis, Edmar Bacha.

EDMAR BACHA: Ah, eu estava no meu escritório naquela universidade aqui, a universidade católica. E recebi a ligação logo depois que terminei de dar uma aula, sabe? E ele disse bem, acabei de ser nomeado ministro das finanças. Você sabe que eu não sei economia, então, por favor, venha me encontrar no Brasil amanhã. Nós precisamos de você. Bem, eu estava apavorado.

GOLDSTEIN: Receberemos o resto da história depois disso.

MULHER NÃO IDENTIFICADA: O suporte para este podcast e a mensagem a seguir vem de stamps.com, que quer que você saiba que com as férias se aproximando, os correios estão ficando mais ocupados a cada minuto. Evite o incômodo e use stamps.com. Com stamps.com, você pode comprar e imprimir a postagem oficial dos EUA para todas as suas cartas e pacotes usando apenas seu computador e impressora. Inscreva-se em stamps.com e use o código promocional MONEY para um teste de quatro semanas e uma oferta especial, incluindo postagem e balança digital. Vá para stamps.com, clique no microfone e digite DINHEIRO.

JOFFE-WALT: Bacha estava esperando há três décadas por essa ligação – desde que ele e seus três amigos lecionaram juntos na pós-graduação na prestigiosa Universidade Católica do Rio. Quatro amigos que estudavam a inflação brasileira há décadas. Quatro amigos no bar do campus reclamando entre si sobre como este governo não sabia o que estava fazendo e aquele governo não sabia o que estava fazendo. Quatro amigos que agora estão sendo solicitados pelo governo para vir e consertar as coisas do jeito deles – o plano em que passaram anos. E assim, é claro, a primeira resposta deles – não, não queremos. Aqui está outro dos quatro, André Lara.

ANDRE LARA: Isso é um processo. É algo que requer muitos anos. Não é algo que possamos fazer. Não é mágica – não é um truque que fazemos da noite para o dia.

JOFFE-WALT: Quando perguntei a Lara – não foi emocionante, no entanto? – ele olhou (risos) – ele pareceu meio confuso por um momento e depois um desdenhoso. As pessoas, ele me disse, deveriam se interessar por ideias, não por sentimentos. Eles pensaram que tínhamos um truque. Não há truque. Existem apenas planos macroeconômicos longos, difíceis, complexos e de várias etapas modelados especificamente para o contexto brasileiro. Bacha é o mais casual deste par. Sim, ele me diz, tínhamos um truque, mas eu estava ocupado e não queria muito me mudar para Brasília. O governo pressionou. Lara e Bacha foram levados para jantar com membros do Parlamento que lhes disseram o quanto o país realmente precisava deles. Receberam ligações em casa. Os senadores disseram a eles que vocês terão rédea solta – o que acharem melhor. Bacha foi convidado para conhecer o presidente.

BACHA: E então eu pedi a ele um autógrafo para meus filhos. E então ele escreveu um bilhete – um bilhete endereçado aos meus dois filhos e dizendo, por favor, diga ao seu pai para trabalhar rápido para o benefício do país.

(RISADA)

JOFFE-WALT: Foi isso que ele escreveu no autógrafo?

BACHA: Sim, sim. Eu ainda tenho esse bilhete (risos).

JOFFE-WALT: Então há muita pressão.

BACHA: Ah, sim, sim, sim.

JOFFE-WALT: Agora, devo dizer que os quatro economistas da Universidade Católica não estavam relutantes porque duvidavam de seu plano. O Dr. Lara não lhe parece alguém que duvida de qualquer coisa que surja de sua mente.

LARA: Sim, eu tinha certeza de que ia dar certo. Havia muita gente que não entendia, mesmo entre os economistas profissionais – que não gostavam da ideia e achavam que nos levaria à hiperinflação – mas desde o início eu tinha certeza.

JOFFE-WALT: Havia muitas pessoas que não tinham tanta certeza de que o plano funcionaria – o FMI, por exemplo, quase todos os cidadãos do Brasil e o colaborador direto de Lara nesse plano, Bacha.

BACHA: E eu sei que uma coisa é fazer no seu escritório. Outra coisa é juntar a coisa, certo? Nunca, nunca foi colocado em prática em qualquer lugar dessa maneira.

JOFFE-WALT: Bacha acabou sendo conquistado pelo autógrafo e pelos apelos dos ministros da Fazenda. E Lara foi convencida por um jantar parlamentar onde os políticos lhe garantiram que tomariam as medidas difíceis necessárias para manter sua ideia pura. Então aqui estava a ideia. Basicamente, os quatro economistas disseram, sim, você tem que atacar as causas subjacentes da inflação. Você precisa parar de criar dinheiro, mas também precisa estabilizar a fé das pessoas no próprio dinheiro. E é aí que o plano deles era diferente. As pessoas eram parte do problema, eles pensavam – suas percepções. As pessoas tinham que ser enganadas a pensar que o dinheiro tinha valor quando todos os sinais lhes diziam que isso não era verdade. Então Bacha diz que eles escreveram um plano para uma nova moeda – uma que fosse estável, confiável, confiável. O único problema era que essa moeda não seria real. Não seria impresso. Nunca haveria moedas. Era falso. Eles o chamaram de moeda virtual.

BACHA: Chamamos de unidade de valor real – URVs. Sim, era uma virtude que não existia, na verdade.

JOFFE-WALT: As pessoas ainda teriam e usariam cruzeiros, a moeda local, mas tudo estaria listado em URVs. Seus salários seriam listados em URVs, os impostos foram listados em URVs e todos os preços nas lojas estão listados em URVs. E as URVs seriam mantidas estáveis. E assim, por exemplo, quando você foi à loja e comprou um pouco de leite…

BACHA: Quanto h custa? Digamos, bem, agora temos um custo X – digamos um URV. Bem, quanto é isso porque não posso pagar com URVs? Bem, eu tenho esta mesinha aqui. E hoje o valor da URV em cruzeiros é de sete cruzeiros a unidade. Então custa uma URV – sete cruzeiros. Você vai semana que vem. Bem, ainda é um URV. Mas aí você diz quantos – quantos cruzeiros? Você parece – bem, 14.

JOFFE-WALT: Todas as noites, o banco central publicava um memorando com a taxa de inflação oficial do dia, e era impresso no jornal na manhã seguinte para que o balconista pudesse consultá-lo. Segunda-feira um URV é igual a sete cruzeiros, terça-feira, 12 cruzeiros, quarta-feira, 14. O leite ou o que for que você estivesse comprando continuaria o mesmo em URVs. E a ideia era que você começasse a pensar na moeda falsa, em URVs, porque na semana passada, você recebeu 1.000 URVs. O leite custa um URV. No mês seguinte, você receberia 1.000 URVs novamente, e o leite ainda seria um URV. A quantidade de cruzeiros, o que você realmente entregou para o balconista, mudaria, mas o preço em URVs não. Esse foi o plano, que Bacha apresentou ao senador de São Paulo.

BACHA: E aí quando eu expliquei para ele o plano, sabe, depois de um tempo, sabe, ele disse, bem, com uma certa angústia na voz, disse, bem, Bacha, se essa é a única maneira que você me diz que isso pode ser feito, então nós o seguimos até o precipício.

JOFFE-WALT: E assim os quatro economistas foram explicando ao país que todos agora deveriam falar em uma moeda virtual.

BIERRENBACH: Não entendemos o que era. Perguntamos, quanto é isso? Ah, são tantos URVs. Eu costumava dizer que era uma fantasia (risos) porque não era real.

JOFFE-WALT: Ainda assim, as pessoas o usavam sem serem forçadas. Uma loja estaria vendendo leite por um URV e, eventualmente, todas as lojas estariam. Assim, as pessoas saberiam que é um preço apropriado para o leite, o que posso dizer porque recebi 1.000 URVs.

BACHA: E então, quando estamos convencidos de que os preços estavam relativamente em boa sincronia, declaramos, bem, a partir deste dia, a moeda virtual se torna uma moeda real. O cruzeiro real vai desaparecer, e cada um vai receber daqui para a frente o seu salário e pagar todos os preços na nova moeda, que é o real, que é igual a uma URV e igual a $1. E esse é o truque.

JOFFE-WALT: Não foi o único truque, obviamente. Enquanto implantavam as URVs, o grupo de economistas fazia o governo equilibrar o orçamento e desacelerar a criação de dinheiro. E então, um dia, 1º de julho de 1994, o banco central distribuiu caminhões de dinheiro novo nessa nova moeda, o real, para os bancos, nas cidades, nas províncias, e esperou pronto para que os quatro economistas dissessem, vá. Todo aquele dinheiro falso que você usou, agora é real.

BACHA: E eu lembro, sabe, no dia que lançamos o real, eu tenho esse jornalista que virou amigo meu. E então ela veio até mim e disse, professor, você jura que a inflação vai acabar amanhã? Eu disse, sim, eu juro que vai acabar amanhã.

BIERRENBACH: Todos ficaram muito felizes (risos).

JOFFE-WALT: Agora devo dizer que nem todos ficaram felizes. O Brasil teve 50 anos de inflação alta. Então lembra daquele homem da fábrica têxtil que tomava café todas as manhãs para descobrir quanto cobrar naquele dia, Isaac Guercman? Ele era um dos brasileiros mais ricos que tinha dinheiro no banco. E agora que a inflação acabou, ele não estava ganhando todos os juros.

GUERCMAN: Tenho que admitir que falhei nessa mudança e na mudança de moeda.

JOFFE-WALT: O que aconteceu?

GUERCMAN: Bem, de repente, o dinheiro começou a ter valor, e você tem que ganhar dinheiro com sua eficiência e não com seu investimento de dinheiro. Você tinha que voltar e começar a produzir e competir e ter eficiência. Estava no mercado há mais de 20 anos quando tive que fechar minha fábrica.

JOFFE-WALT: Problemas de Isaac Guercman à parte, nossos quatro heróis literalmente devolveram a economia do Brasil na direção oposta com seu plano. O Brasil finalmente conseguiu crescer da forma que sempre deveria ter sido o tempo todo. O país conseguiu desenvolver indústrias verdadeiras e competitivas, grandes players em açúcar e petróleo e minério de ferro. E Cardoso, o ministro da Fazenda que contratou nossos quatro heróis, depois de admitir que não sabia nada de economia, foi eleito presidente duas vezes.

GOLDSTEIN: Essa é Chana Joffe-Walt em 2010. A economia do Brasil hoje em 2015 não é tão forte quanto em 2010, mas ainda está em muito, muito melhor forma do que estava há 20 anos.

GOLDSTEIN: Se você está procurando outro podcast, tente All Songs Considered. É uma ótima maneira de encontrar novas músicas. Você pode encontrar todas as músicas em npr.org/podcast, no aplicativo NPR One ou onde quer que você obtenha seu podcast. Eu sou Jacob Goldstein. Obrigado por ouvir.

Texto adaptação e tradução por

Val F Allstarpixel

fontes:

Planet Money 

 

Compartilhar:

Anuncie

Nós criamos seu website profissional!

Mais Posts

viverbemusa

O Humor Improvável Dos Barbixas

Para descontrair nessa vida corrida apresento esse grupo que faz muito sucesso no Youtube entrou para a lista das 100 web séries mais vistas do

Assédio Sexual: O Que Fazer?

Feliz dia das mulheres que afinal e todos os dias (clichê), mas nossas guerreias imigrantes sempre tem um desafio a mais, muitas são assedias por